domingo, 2 de março de 2008

Memórias


Há décadas atrás, ainda menina, fui com o meu mano do meio ao cinema, à conta de uns bilhetes oferecidos ao progenitor. Os dois sozinhos, lá nos sentámos nos lugares que nos foram destinados e, em expectativa, assistimos ao "Império do Sol", que, na altura, era estreado em Coimbra, no velhinho teatro "Gil Vicente".

Hoje, de repente, revi a imagem que guardo do filme.

Pelas 6 da tarde, regressada a casa, fui à varanda e parei. Estarrecida.
Um sol vermelho, cor de fogo, exactamente como aquele que eu recordava, estava ali, perante mim, vagarosamente, sossegadamente, a poisar no horizonte.

Por momentos, senti-me completa.
É que, não tenhamos dúvidas, as memórias que guardamos fazem mesmo parte de nós.

2 comentários:

Joao disse...

Não foi o Gil Vicente, mas sim o ainda mais velhinho e defunto Avenida, Teatro à antiga com balcão, plateia, tribuna e camarotes de 1ª e 2ª!!! E foi no balcão.

Bzz disse...

Joãozinho
Tens toda a razão! Parece é que a minha memória já não é o que era ;-)
Beijo da mana