quinta-feira, 24 de julho de 2008

Encantamentos


Quando crianças, ninguém duvide, facilmente nos deixamos encantar.
A mais pequena magia ou ilusão tem a capacidade de fazer sonhar e levar, quem assim sonha, aos mundos mais incríveis.

A vida, porém, devagarinho, vai paulatinamente desconstruindo o que antes nos iludia.
A rotina vai-nos fechando, as cabeçadas (umas evitáveis, outras nem por isso) vão-nos criando uma certa carapaça, o receio ou a vergonha vâo-nos inibindo.
A capacidade de nos iludirmos vai diminuindo a cada dia e estacionando-se em níveis ínfimos.

Ontem, porém, dei-me conta do antídoto para tal enfermidade: o espectáculo do Cirque du Soleil, que tive o privilégio de assistir na ante-estreia.
Não encontro palavras para descrever o que vi, o que vivi, o que senti... no fundo, não encontro forma de vos explicar a menina em que, por hora e meia, me tornei.

2 comentários:

Anónimo disse...

E um espectaculo fantastico, e por momentos achamos que aquilo tudo que eles fazem e facilimo...

Tioto

lúcio lamelas disse...

pois eu discordo frontalmente. Acho um espectáculo horrível, deprimente.De uma violência atroz.Sem qualquer ponta por onde se lhe pegue.Tudo a fingir.Desorganizado.Todo o pessoal aos gritos, em verdadeiras turbas ululantes.Sem qualquer nexo.Como é possível juntarem-se tantas pessoas a assistir. Claro, que passados 5 minutos já estava a sair.Aqui, reafirmo espectáculos de "Wrestling", jamais!!!